domingo, 16 de julho de 2017

O Caminho

Só que...nos campos universais, que integram as leis da Terra às leis das galáxias, às leis da criação da vida, ás leis do pensamento, e que integram portanto e principalmente, as leis da matéria às leis do espírito, - tudo se transforma e se eleva, ao defrontar-se com a superior, última, final, inesperada dimensão espiritual da existência.

Por ter menosprezado isso e pretender, inversamente, subordinar o espiritual ao material, é que parece haver o homem esquecido o ponto de partida, os verdadeiros pontos de apoio, os pontos cardeais de sua curta passagem pela Terra.

Perdendo o rumo, afastou-se do caminho...

Provàvelmente está nessa desorientação a causa principal de um presente mundo aflito, em conflito, que sangra para onde se vira e onde pisa rancoroso...

E empolgado consigo mesmo, ora contrariadamente irado, ora eufòricamente presunçoso, convencido, a cada instante cambaleia frustrado, sem certeza de se deve rir ou chorar, retroceder ou avançar...

Um mundo que pergunta aos robôs, aos cérebros eletrônicos, a rota dos astros... e esquece o próprio sentido.

Na verdade o nosso mundo se agita à procura de rumo, de uma verdade, de uma vereda aplanada que o conduza ao Caminho verdadeiro.

Caminho que, através dos campos da vida e da morte, o leve em paz ao seu Destino.


Carlos da Silveira, Encontro com o Infinito. Gráfica Olímpica Editôra, Rio de Janeiro – GB, 1971.